José Ángel, o garoto de 11 anos que fez um massacre em sua escola.

José Ángel Ramos Betts, tinha 11 anos e morava em Torreon, norte do México. Sua família já possuía um histórico violento, como por exemplo, o assassinato de sua avó materna, morta a  tiros, quando ele ainda era pequeno. Em 2017, quando José ainda era pequeno, seu pai acabou sendo preso e condenado por tráfico de anfetaminas, já sua mãe morreu durante uma cirurgia. José, então, passou a morar com seus avós paternos, e desenvolveu o hábito de colecionar jogos de tiro e armas de brinquedo, sendo que, na própria casa em que morava, haviam armas de grande porte.

No dia 10 de janeiro de 2020, o garoto acordou cedo, vestiu seu uniforme, e foi para a escola Cervantes Campus Bosque. Chegando lá, participou brevemente da aula, e logo pediu para ir ao banheiro, sendo autorizado pela professora. Assim que entrou no banheiro, tirou uma camiseta branca de sua mochila que continha os dizeres “Natural Selection”, semelhante àquela utilizada pelo atirador de Columbine, Eric Harris, e a vestiu.

Vestiu também um suspensório, coturno e calças pretas, o que faz novamente referência à roupa do atirador Eric Harris. Ele, então, retirou duas armas de dentro de sua mochila, uma calibre .40 e a outra .22. Após cerca de 15 minutos, a professora María Assaf Medina estranhou a demora de José, e resolveu procurá-lo.

No meio do caminho, ela encontrou José Angel armado, atirando em cinco colegas e um professor de educação física que estavam no pátio. Ele gritou “Hoy va a ser el día” (“Hoje vai ser o dia”), e atirou em sua professora Maria Assaf, que morreu instantaneamente. Após isso, apontou a arma para sua própria cabeça e atirou, cometendo suicídio.

Na escola, haviam crianças gritando e chorando por toda parte, e muitas estavam na sala de aula orando. Quando os policiais chegaram, imediatamente identificaram seis pessoas feridas e duas mortas, encaminhando os feridos ao hospital, que, posteriormente, conseguiram se recuperar. Já o corpo de Maria Assaf e José permaneceram no local, já que eles foram as duas vítimas fatais.

O corpo de José estava com as pernas para trás, como se ele tivesse se ajoelhado antes de cometer suicídio. Era possível notar que um de seus olhos estava projetado para fora, e que havia sangue no meio da camiseta, no local onde estava a escrita “natural selection”.

O corpo da professora Maria Assaf também estava com as perna para trás, como se José tivesse pedido para ela se ajoelhar antes de atirar, mas esse fato não foi confirmado.

Os policiais foram então até a casa de José Ángel para iniciar uma investigação, e foi descoberto no celular de seu avô, J.A., uma conversa entre ele e a filha, onde o mesmo admitia ter fornecido as armas para que o garoto executasse o massacre. Em um trecho da conversa, o avô diz: “Ele queria fazer isso, não consegui detê-lo, era a vontade dele, filha”.

A filha então responde: “Por que você deu a ele, papai? Você vê o que acontece? Quando vi isso, não fiquei surpresa, sabia que era você quem as tinha dado a ele.” O avô, por fim, lamenta, dizendo: “Agora é tarde demais, ele a ferrou com a minha arma!”.

O avô do menino foi preso e acusado de homicídio por negligência, por deixar suas armas em um local de fácil acesso para uma criança. Foi iniciada uma nova investigação, onde ele também estaria sendo acusado de lavagem de dinheiro, porém, não foram divulgados mais detalhes sobre esse caso.

No dia 13 de janeiro, José Ángel foi enterrado, em seu velório haviam bastante pessoas, parentes e amigos do bairro e da escola. Algumas coroas de flores que estavam sobre o caixão diziam “Deus te abençoe”, e “Vamos sentir sua falta.”

No mesmo dia, o corpo da professora Maria Assaf foi enterrado, sob forte comoção, com a presença de seus alunos, que descreveram ela como uma ótima professora, gentil e carinhosa.

Durante a cerimônia, foi cantada a melodia “Você me ensinou a voar”, que possui o seguinte trecho: “Roubaram seu coração, os meninos da escola, passam, você fica, algo de você eles vão levar … você decidiu voar, deixando todo mundo crescer ”.

O massacre chocou diversas pessoas ao redor do mundo, principalmente pelo fato de o autor do crime ser uma criança. De acordo com relatos de colegas de sala de aula de José, ele era um garoto gentil, educado e feliz, que tinha tudo, como por exemplo: um iPhone de última geração, drones e também um relógio iWatch, o que acabava atraindo a admiração de diversos amigos da região. Mas, a única coisa que José não tinha, era o carinho e amor de seus familiares.

As aulas retornaram semanas após o massacre, sendo imposto, que os alunos utilizassem mochilas transparentes, para que, desta forma, os professores e os policiais ficassem cientes do que cada um carregava.

Um pai, Jesús Rojas, chegou a escrever uma carta emocionante para José Ángel.

“Para a memória do garotinho José Ángel, todos nós em sua comunidade, em seu estado e em seu país, estamos muito consternados com sua decisão que, de repente, abalou nossa realidade estúpida. Muitos julgam a memória do seu pequenino, fazendo você parecer um assassino abominável. Mas, outros de nós, acreditam que você é uma vítima e se sentem culpados por não ter feito a coisa certa com você. Culpado por não te compreender, e por fazer parte de uma sociedade violenta, corrupta e dissimulada. Aprendi com a notícia que você perdeu sua mãe meses atrás, sem dúvida a encontrará no céu; que você ficou encarregado de sua avó, e que seu pai raramente o visitava. Também sabia que você estava passando por um período ruim na escola, e que era uma criança muito diligente. Ninguém ouviu você, ninguém prestou atenção, ninguém se aproximou de você, seu pai falhou, nós falhamos com você. Você não tinha amigos e hoje tem muitos juízes. Políticos e funcionários culpam videogames, músicas ou YouTube. Sempre que acontece alguma coisa, ninguém é responsável, e todos culpam a todos, isso acontece, pequenino, quando a covardia nos vence. Como essas armas poderosas chegaram até suas pequenas mãos? Como você aprendeu a usá-las? Quem te treinou? Estas são perguntas que os promotores e especialistas fazem, mas eu me pergunto outras coisas antes de tudo isso: Alguém disse que te amava esta manhã? Alguém disse que você era importante? Alguém te fez sentir especial? Tenho dois filhos da sua idade, e com o que aconteceu hoje, você me deixa uma grande tarefa, para eles e para os outros. Você não era uma criança má, não foi sua culpa e você deve descansar em paz. Vou pedir por você, pelo seu descanso, porque Deus conhece a sua inocência, e é muito claro sobre onde estão os culpados, que na realidade são todos aqueles que poderiam tentar impedi-lo, mas estávamos muito ocupados com coisas sem importância. Descanse em paz você e seu professor, minha solidariedade para com as famílias de sua escola. Deus dê saúde aos seus companheiros, e a nós, inteligência para compreender que o amor que te negamos foi terreno fértil para o ódio crescer, e nisso nada de bom floresce. Durma pequenino, eu nunca duvido da sua inocência.”


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s