Conheça os casos que inspiraram os criminosos da série American Horror Story.

Feliz Dia das Bruxas, pessoinhas leitoras da Crimes Reais! Como vocês estão? Espero que nenhuma bruxa vos tenha transformado em sapos ainda, já que hoje temos uma publicação especial de Halloween.

Como diz o título, hoje trarei aqui os casos que inspiraram os crimes na série americana American Horror Story, que conta com nove temporadas e teve seu primeiro capítulo lançado no dia cinco de outubro de 2011.

Como uma série de gênero terror, possui bastante mistério e acontecimentos sobrenaturais, assim como vários crimes dignos de chocar o público.

Neste post, vou te mostrar algumas das inspirações para a série, então se aconchegue, pegue seus docinhos e divirta-se!

Primeira temporada: Murder House

Na primeira temporada, temos primeiramente o bebê de Lindbergh, que serviu de inspiração para o filho dos Montgomery. Na vida real, o filho do aviador Charles Lindbergh foi sequestrado dentro da própria casa, desapareceu e foi encontrado dois meses depois, morto com uma fratura no crânio. O responsável pela morte da criança, Richard Hauptmann, foi sentenciado à cadeira elétrica em 1936.

O filho de Charles Lindbergh.

Após isso, temos Richard Speck, um homem que invadiu uma república de estudantes de enfermagem, amarrando mulheres e matando-as a facadas ou estrangulamento, e depois violentando-as. No total, Richard fez oito vítimas. Isso inspirou a morte das duas enfermeiras dos anos 60.

Richard Speck, o assassino de enfermeiras.

Tate Langdon, talvez o mais famoso personagem de AHS, teve seus atos inspirados no massacre de Columbine, ocorrido no dia vinte de abril de 1999. O massacre foi perpetrado por Eric Harris e Dylan Klebold, estudantes da Columbine High School. O ataque causou a morte de treze pessoas (onze alunos e dois professores) e outras vinte e quatro ficaram feridas. A dupla se suicidou após o feito. Na série, Tate Langdon realizou um tiroteio em massa em Westfield High, matando quinze estudantes. Quando voltou para casa, ele foi morto pela SWAT em seu quarto.

Imagem retirada da gravação de uma câmera da cafeteria da escola, que mostra Eric Harris de costas e Dylan Klebold caminhando.

Segunda temporada: Asylum

Na segunda temporada, Nellie Bly foi a musa para a criação da personagem Lana Winters. Nellie foi uma jornalista que decidiu fingir sofrer de transtornos mentais para dar entrada em um asilo para mulheres na Ilha Blackwell. Lá, ela sofreu abusos e violência, assim como os outros pacientes. A experiência dela foi relatada ao jornal New York World, e seus textos foram compilados no livro “Teen Days In a Mad House”, lançado em 1987.

A jornalista Nellie Bly.

É apresentado na série também o personagem Bloody Face, baseado em Ed Gein, um dos mais conhecidos assassinos dos Estados Unidos. Não é considerado um serial killer, pelo fato de ter matado apenas duas pessoas, mas ficou famoso pelo seu bizarro gosto de usar a pele das vítimas na confecção de máscaras e objetos, como abajures e luvas, chegando a fazer uma fantasia de mulher através de restos de corpos humanos.

O assassino Ed Gein.

Na segunda temporada da série, a personagem Franka Potente afirma ser Anne Frank, uma menina judia que precisou fugir da Alemanha com a família, vivendo por anos escondida em Amsterdã. A garota foi traída e levada a um campo de concentração. Anne morreu aos quinze anos, em 1945, mas sua fuga foi toda registrada em um diário, pulicado pelo pai da garota em 1947. Na trama, Franka diz ter sobrevivido e conseguido ir viver na América.

Uma das mais famosas imagens de Anne Frank.

Como vários outros médicos que se envolveram com crimes, o Dr. Arthur Arden, cujo verdadeiro nome era Hans Gruper, conduzia experimentos em campos nazistas na década de quarenta e possuia também um gosto pela mutilação de mulheres. Com um básico conhecimento histórico, é fácil saber a real personalidade por trás do personagem: Josef Mengele é um dos mais conhecidos médicos nazistas, famoso por fazer experiências com os internos de Auschwitz, principalmente envolvendo gêmeos.

Josef Mengele durante a Guerra.

Terceira temporada: Coven

Katie Bates estreou em AHS interpretando a Madame Lalaurie, uma mulher que viveu no século dezoito e supostamente foi uma assassina em série, pois teria ajudado a matar, torturar e mutilar cerca de noventa e seis escravos negros. As torturas vieram à tona após um incêndio tomar conta da casa da família.

Retrato de Delphine LaLaurie.

O Assassino do Machado aterrorizou Nova Orleans entre os anos de 1912 e 1919. O homem fez oito vítimas, todas mortas a machadadas. Sua carta enviada aos jornais dizia que pouparia a vida daqueles que tocassem jazz à noite em suas casas. Na vida real, o assassino nunca foi identificado, mas na série, as bruxas da Academia para Excepcionais Jovens Garotas da Madame Robichaux decidiram prender seu espírito eternamente na mansão da Academia.

Quarta temporada: Freak Show

Twisty, o palhaço assassino deformado e amedrontador da quarta temporada da série foi baseado no caso de John Wayne Gacy, serial killer responsável pela morte de cerca de vinte e nove garotos no estado americano de Illinois. O homem trabalhava como palhaço, fato que lhe garantiu o apelido de “Palhaço Assassino”. Ele foi sentenciado à pena de morte e foi executado por injeção letal em 1999.

John Wayne Gacy com sua caracterização de palhaço.

Quinta temporada: Hotel

Aileen Wuornos foi uma assassina em série, conhecida por ter assassinado pelo menos sete homens entre 1989 e 1991, alegando que os homens a teriam estuprado enquanto ela trabalhava como prostituta. Ela recebeu seis sentenças de morte e foi executada em nove de outubro de 2002, via injeção letal. Na série, foi interpretada por Lily Rabe durante dois episódios da quinta parte.

Foto de Aileen Wuornos quando mais nova.

Foi exibido na série o personagem homônimo baseado em Richard Ramirez, ou o Perseguidor da Noite (The Night Stalker). A temporada do programa que ele aparece foi baseada no Hotel Cecil, de Los Angeles, conhecido por ser palco de vários crimes e suicídios, local também utilizado como ponto de encontro por Ramirez no início dos anos oitenta.

Richard Ramirez no tribunal.

Além dele, outro assassino apresentado foi Jeffrey Dahmer, que atuou nos Estados Unidos de 1978 a 1991, assassinando dezessete homens e garotos, a maioria entre os anos de 1987 e 1991. Seus crimes, além de assassinato, envolviam também estupro, necrofilia e canibalismo. Ele morreu em vinte e oito de novembro de 1994, após ser executado por outros detentos na cadeia.

Jeffrey Dahmer, o canibal de Milwaukee.

Sexta temporada: Roanoke

Entre as antagonistas da misteriosa temporada baseada no caso da colônia de Roanoke, estavam as enfermeiras Gwendolyn e Cathy, que trabalharam juntas na época de 1980 e iniciaram uma série de assassinatos de idosos de uma casa de repouso. Ligando as iniciais dos nomes das vítimas, era formada a palavra MURDER, que em inglês significa “assassinato”.

O casal de enfermeiras Gwendolyn e Cathy.

Sétima temporada: Cult

Sendo a única temporada que não envolve o sobrenatural, a sétima temporada da trama apresenta alguns líderes de culto (o que faz jus ao nome, claramente). Um deles foi Jim Jones, que em novembro de 1978 juntou quase mil seguidores numa comunidade criada por ele, chamada Jonestown, localizada no noroeste da Guiana. Lá, Jim convenceu as pessoas que para alcançar a salvação eterna, precisavam se matar. Conhecido por ser um suicídio coletivo, o massacre envolveu o assassinato de quem tentava fugir, somando no final 980 vítimas de homicídio e suicídio induzido.

Jim Jones à esquerda.

Assim como Jim Jones, Charles Manson também foi líder de uma seita criada por ele, onde convencia seus seguidores, chamados de Família Manson, a promoverem uma onda de assassinatos, com a desculpa de que uma nova revolução precisava ser provocada. Assim, fizeram sete vítimas, estando entre elas a mulher grávida do diretor Roman Polanski.

Charles Manson, líder da seita nomeada Família Manson.

Oitava e nona temporada: Apocalypse/1984

As duas últimas temporadas da trama apresentam alguns personagens citados anteriormente, mas não traz nenhuma figura nova inspirada em crimes da vida real.

E aí, o que achou? Você já sabia disso tudo ou está descobrindo agora? Independente da resposta, espero que tenham gostado do nosso post especial de Halloween! Tome cuidado para que nenhum fantasma da série puxe seus pés durante a noite…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s