Luka Magnotta, assassino canadense que matou e desmembrou seu namorado, praticou canibalismo e postou o vídeo na internet.


Eric Clinton Kirk Newman nasceu em 24 de Julho de 1982 em Scarborough. Segundo sua mãe, Anna Yourkin “Luka (como passou a ser chamado mais tarde) sempre amou filmes, foi sempre muito tímido e, na escola, sofria bullying por causa do seu cabelo. Chamavam-no de gay e isso fazia sua autoestima diminuir cada dia mais”.

Eric Clinton Kirk Newman

Aos 16 anos se mudou para Toronto a fim de tentar a carreira de modelo. Em 2003, começou aparecer em vídeos pornográficos, trabalhando como stripper e acompanhante masculino. Apareceu como modelo pin-up em 2005, na revista Fab de Toronto, usando o pseudônimo “Jimmy”. Eric tinha feito múltiplas cirurgias plásticas e participou da audição para o programa de televisão da Slice Plastic Makes Perfect em Fevereiro de 2008.

Em 2005, foi condenado por três acusações de fraude contra a Sears Canadá, depois de se passar por uma mulher comprando mais de U$ 10.000 em itens no cartão de crédito. Deu-se como culpado e recebeu uma sentença de 9 meses, com 12 meses de liberdade condicional. Posteriormente, mudou legalmente o seu nome para Luka Rocco Magnotta, em 12 de Agosto de 2006.

Aos 29 anos ele tinha vários sites e perfis fakes e chegou a criar fã-clubes e montagens com fotos no Google para sempre estar nas mídias sociais. A polícia declarou que Magnotta criou pelo menos 70 páginas de Facebook e 20 websites com nomes diferentes. Segundo o Southern Poverty Law Center, Magnotta publicou no seu site Stormfront sobre a supremacia ariana sob dois nomes diferentes e seguiu a conta do Twitter do nacionalista branco Don Black. Num dos seus comentários no Stormfront, Magnotta denunciou os chineses. Em seu perfil de namoro, ele se descreveu como um homem branco solteiro que estava procurando um “homem branco solteiro, entre 28-38 anos de idade e em forma”. Ele acrescentou: “Aquele que é leal, de preferência educado, financeira e emocionalmente estável para um relacionamento de compromisso de longo prazo. Se você acha que poderia ser meu príncipe encantado, envie-me uma carta detalhada com pelo menos duas fotos.”

No dia 25 de Maio de 2012, foi publicado um vídeo de 11 minutos chamado “1 Lunático, 1 quebra gelo” no Bestgore.com, de um homem desacordado amarrado na cama, deitado nu, com um outro homem alisando o rosto da vítima. Depois, com um quebra gelo em uma de suas mãos, começa esfaquear a vítima várias vezes antes de desmembrá-lo com uma faca de cozinha e praticar atos de necrofilia. O suspeito, usava uma faca e um garfo para cortar alguma parte da carne e logo depois também matou um cachorro no mesmo vídeo.

O vídeo circulou e foi compartilhado para todo o mundo antes de descobrirem que tinha sido gravado em Montreal, Canadá. Durante o filmagem, passava em fundo a música de 1987, do New Order, “True Faith”, e era visível na parede um poster do filme de 1942, Casablanca. As autoridades canadenses tiveram uma versão inteira do vídeo e disseram que pode ter acontecido canibalismo.
No dia seguinte, por volta das 9h00, o zelador da manhã foi retirar o lixo e encontrou uma mala com um cadeado e larvas saindo de seu interior.
A polícia foi chamada às 10h15 da manhã, e, ao abrirem a mala, viram o torso de um homem branco, com perfurações no abdômen e sem cabeça, braços e pernas. Perceberam também outros sacos pretos perto da mala, que continham um papeis amassados, uma camiseta amarela, uma garrafa de vinho, um cachorro morto, um edredom ensanguentado, uma carteira de habilitação e uma nota fiscal de uma farmácia, ambos com o nome de Luka. Encontraram também, uma serra, um quebra gelo, uma faca com sangue e pele, mas não encontraram a cabeça, nem as mãos e os pés.

Às 11 da manhã do dia 29 de maio de 2012, uma encomenda manchada de sangue com um cheiro horrível e marcada com um símbolo de coração vermelho chega no prédio do Partido Conservador do Canadá. A recepcionista abre e vê um pé esquerdo embrulhado em um papel rosa, com uma carta.

“Rosas são vermelhas, violetas são azuis, a polícia vai precisar de uma ficha dentaria para identificar você.”


Outra encomenda com a mão esquerda foi enviada pelas instalações de processamento dos Correios do Canadá, com destino ao Partido Liberal. Foi encontrada uma nota com um pacote enviado ao Partido Conservador, dizendo que tinham sido distribuídas 6 partes do corpo e que, quem quer que fosse, iria matar novamente. As outras 3 encomendas também tinham notas, mas os seus conteúdos foram escondidos pela polícia, que citou preocupações com possíveis copiadores do crime. No dia 5 de Junho de 2012, uma encomenda contendo um pé direito foi enviada à escola St. George e outra contendo uma mão direita à Escola Primária de False Creek em Vancouver. Foi confirmado que ambas as encomendas foram enviadas de Montreal.
As 11:33 da manhã, a polícia entrou no apartamento 208, onde Magnotta estava vivendo até então. Ele tinha se mudado há 4 meses e seu aluguel foi pago até 1 de Junho. O apartamento tinha estado vazio antes de ele sair. Foi encontrado sangue em itens diferentes, incluindo o colchão, o frigorífico, a mesa e a banheira.

Dentro do closed do quarto, tinha algo escrito:

“Se não gosta do reflexo não olha para o espelho, eu não ligo”

No dia 30 de Maio de 2012, foi confirmado que as partes do corpo pertenciam ao mesmo indivíduo, mais tarde identificado como Jun Lin, um estudante chinês de engenharia, de 33 anos. No dia 1 de Julho, a sua cabeça foi recuperada num pequeno lago no Parque Angrignon em Montreal depois da polícia ter recebido uma denúncia anônima.

Jun Lin

Os investigadores encontraram um sedativo que também estava na garrafa de vinho. E pediram para ver as câmeras de segurança fora e dentro do prédio, procurando algo importante sobre o recém identificado Luka Rocco Magnotta, que já tinha fugido.

Eles chegam no apartamento juntos, e horas depois Luka, aparece com uma camisa amarela igual à que Jun Lin usava, jogando o lixo mais de uma vez durante a madrugada.

Magnotta comprou uma passagem de um voo de Montreal para Paris no dia 25 de Maio, as autoridades canadenses deram mandado de prisão e informou o aeroporto, que o assassino estava usando uma camisa de manga curta preta com a estampa do Mickey e uma peruca preta de cabelo curto.

Luka no aeroporto de Montreal

Depois da sua chegada a França, pegou um táxi e foi até o hotel chamado Novotel, a polícia francesa foi acionada até o local e estava vazio, pois Luka não passou a noite no hotel.
Ele já tinha contatos em Paris de uma visita em 2010, uma das testemunhas, um homem francês disse ter visto o número de celular do Luka em um site de relacionamento e passaram uma noite juntos. Assim, a polícia conseguiu rastrear o sinal do celular, que foi localizado em um hotel em Bagnolet, mas ele já tinha fugido quando a polícia chegou. Ele ficou 9 noites e pagou em dinheiro, os policiais acharam a camisa do Mickey no quarto e uma carteira de estudante com o nome do Luka. Ele usou uma identidade falsa com o nome “Kirk Trammel” no hotel. Em seguida embarcou num autocarro da Eurolines na estação de Bagnolet para Berlim, Alemanha.

No dia 31 de Maio de 2012, Interpol emitiu um alerta vermelho para Luka Magnotta a pedido das autoridade canadenses, e por vários dias antes e depois da sua prisão, o seu nome e foto foram mostrados no topo da página do website da Interpol. O alerta pedia que ele fosse provisoriamente preso para aguardar extradição para o Canadá por qualquer membro da Interpol.
Luka chega em uma Cyber Café, em Berlim e pede para o dono se pode usar a internet, o dono do café já tinha visto as notícias e logo o reconheceu, mas, mesmo assim, deixou ele usar um dos computadores.

Luka no Cyber Café em Berlim

Minutos depois, o dono do Cyber Café chama a polícia que prendem Luka no mesmo local e levam-no de volta para o Canadá com o avião da polícia. No dia 12 de Abril de 2013, foi indiciado por acusações de homicídio em primeiro grau, oferecer indecências a um corpo humano, distribuir materiais obscenos, usar os correios para distribuir material obsceno e assédio criminoso.

Luka algemado no aeroporto do Canadá

Durante o julgamento, o advogado de defesa Luc Leclair argumentou que Luka Magnotta estava num estado psicótico na altura dos crimes e não podia ser responsabilizado pelas suas ações. A acusação da Coroa argumentou que o homicídio de Jun Lin foi organizado e premeditado e que ele foi “decidido, considerado ultra organizado e, por isso, responsável pelas suas ações.”
Em Dezembro de 2014, Luka Magnotta foi condenado por homicídio qualificado e condenado a prisão perpétua.


4 comentários em “Luka Magnotta, assassino canadense que matou e desmembrou seu namorado, praticou canibalismo e postou o vídeo na internet.

Adicione o seu

  1. A história dele é extremamente complexa e cheia de detalhes importantes. Existe um documentário maravilhoso sobre ele na netflix chamado “dont fuck with cats”, acho que poderiam ter dedicado ao caso um texto mais completo. Fica a sugestão de um tema para vídeo.

    Curtir

  2. Caso tenebroso. Lembro quando uma professora minha falou sobre esse caso na nossa turma, passei dias refletindo nele, atordoada. A mente humana não tem limites quando se trata de perversidade…
    Só uma correção: é picador de gelo. Quebra gelo é um tipo de navio.

    Curtir

  3. Um adendo: antes de cometer o assassinato contra o namorado, Luka quando mais novo ganhou fama na internet matando filhotes de gatos e postando os vídeos hediondos no YouTube (isso antes de todas as regras que o YouTube possui hoje).

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: